24/11/2015

Poluição atmosférica absorvida pela pele

















A poluição não nos prejudica apenas pela respiração, cientistas descobriram que a nossa pele também absorve poluentes atmosféricos.
Certos poluentes transportados pelo ar, chamados de ftalatos, são os culpados.              
De acordo com John Kisse, da Universidade de Washington nos Estados Unidos, é como se nós fossemos grandes esponjas para estes produtos químicos.

Os ftalatos são um grupo de produtos químicos “semi-voláteis” que são usados ​​para fazer plástico macio e flexível, ou como agentes de dissolução para outros tipos de materiais, são encontrados em todos os tipos de cosméticos, fragrâncias, e produtos domésticos de limpeza. 
Os ftalato são derivados do petróleo e cerca de 2 milhões de toneladas são produzidos em todo o mundo a cada ano. Mais de 20 tipos diferentes estão em uso comum.



Estão por toda a parte:

Ao longo dos últimos 50 anos, eles se tornaram os plastificantes mais usados ​​no mundo, mas a crescente preocupação sobre o que a exposição prolongada pode nos causar é o que está preocupando. Nós podemos entrar em contacto com este poluente através do ar de ambientes interiores, poeira e embalagens de alimentos, por exemplo. 
E este perigo é o que está fazendo alguns países da Europa e os Estados Unidos proibirem totalmente o uso de alguns tipos.

Os estudos mostraram que os ftalatos podem acabar no nosso sangue, no leite materno e na urina, e eles têm sido classificados como “disruptores endócrinos”, devido à forma como eles afectam os sistemas hormonais do nosso corpo, tais como os sistemas de estrógeno e andrógenos.



Asma e outras doenças:

A pesquisa preliminar relacionou certos ftalatos às incidências de asma, sugerindo que PVC aquecidos poderia contribuir para o desenvolvimento de asma em adultos, enquanto a exposição ao ftalato dentro de casa poderia colocar as crianças em maior risco de asma e alergias.
Há também indicações de que a exposição poderia levar a um maior risco de cancro da mama, mas a pesquisa ainda não foi definitiva.

Kissel e os seus colegas queriam investigar o efeito da “absorção dérmica”, ou absorção através da pele, sobre os níveis de ftalatos encontrados em células sanguíneas de humanos. Eles recrutaram seis voluntários saudáveis ​​do sexo masculino e expuseram-nos a um ar com concentrações elevadas de dois tipos de ftalatos: ftalato de dietilo (DEP) e di (n-butil) ftalato (DNBP).

Os seis voluntários foram expostos aos produtos químicos durante um período de 6 horas, numa câmara especial, primeiro com capuzes de respiração especializados que impediu a inalação de qualquer um dos ftalatos, em seguida, eles foram para outra câmara sem capuzes.

As únicas roupas que eles foram autorizados a usar durante a exposição foram calções de banho. 
Eles também foram colocados em uma dieta restrita de produtos de cuidados pessoais 12 horas antes de entrar na câmara e até a sua urina foi analisada 66 horas mais tarde.



O que aconteceu?


Concentrações do metabolito foram menores quando os participantes foram expostos ao ar câmara, enquanto vestindo uma capa, mas os níveis ainda eram substancialmente mais elevados do que os níveis medidos antes de os participantes entraram na câmara, indicando absorção significativa de DEP e DNBP.

A equipa descobriu que a absorção dérmica de DEP foi de cerca de 10 por cento maior do que por inalação. E a absorção cutânea de DNBP foi de 82 por cento maior do que por inalação. 
E quanto mais velho o participante era, maiores eram as taxas de absorção dérmica de ambos (DEP e DNBP).
Eles disseram que, com base na amostra muito limitado de seis participantes, o impacto da idade foi surpreendentemente forte.


E agora, quem irá salvar-nos dos poluentes atmosféricos?

Os pesquisadores ainda estão testando como a absorção de diferentes níveis de ftalatos afectariam a nossa saúde. E sim, a amostra é pequena, mas os resultados justificam o investimento em algumas pesquisas futuras.

A pele é o maior órgão do corpo humano, por isso, se ele realmente não está nos protegendo contra esses produtos químicos normalmente utilizados, temos aí um problema.


0 comentários:

Enviar um comentário